OMS estima quase o triplo de mortos por Covid do que dados oficiais, aponta jornal

Segundo o New York Times, seriam 15 milhões de óbitos, em vez de 6 milhões. Divulgação do dado teria sido impedido há meses por protestos do governo da Índia, onde teria sido notada a maior subnotificação

A Organização Mundial de Saúde (OMS) concluiu que os números reais de mortes por Covid-19 no mundo teriam passado de 15 milhões até o final de 2021, mais do dobro da cifra oficial de óbitos notificados oficialmente por governos. A divulgação do estudo estaria sendo adiada há meses por oposição do governo da Índia, que se tornaria o país com maior número de vítimas da infecção com a atualização. As informações são do jornal norte-americano New York Times (NYT).

Segundo apuração da publicação, o país governado pelo conservador Narendra Modi teria encerrado o ano passado com mais de 4 milhões de mortos por Covid, segundo a OMS, número que contrasta em muito com a cifra oficial de 520 mil óbitos. A Índia é, oficialmente, a vice-líder em casos de coronavírus, com 43 milhões de diagnósticos positivos, mas ainda tem quase 140 mil mortes a menos do que o Brasil, que acumula 12 milhões de confirmações a menos.

O número oficial de mortes em todo o mundo até o fim de 2021 era de pouco menos de 5,5 milhões, o que indica que o estudo da OMS teria descoberto 9,5 milhões de mortes subnotificadas, sendo 3,5 milhões só na Índia. O Brasil também teria número alto de óbitos não notificados, já que é um dos países massivos que menos testam a população. As fontes consultadas pelo New York Times, entretanto, confirmaram apenas as informações sobre a Índia.

"É importante para a contabilidade global e por obrigação moral àqueles que morreram, mas também é bastante importante de forma prática. Se houverem ondas subsequentes, então entender o total de mortes é a chave para saber se as campanhas de vacinação estão funcionando", disse ao NYT o médico Prabhat Jha, diretor do Centro de Pesquisa Global de Saúde, em Toronto, e membro do grupo de especialistas trabalhando junto à OMS.

O cálculo da Organização Mundial de Saúde, ainda segundo a publicação norte-americana, parte da combinação de dados nacionais em mortes oficiais com informações de localidades como pesquisas domiciliares. Além disso, modelos estatísticos fazem o cálculo das mortes subnotificadas, usando uma diferencial para estimar óbitos por outras causas e excluir da cifra total. O número estimado conta ainda mortes indiretas causadas pela Covid, como as de quem necessitava de cuidados médicos, mas não os obteve diante da superlotação de sistemas de saúde.

Fonte, OPovo

Comentários