PT aciona TSE por propaganda antecipada após motociata de Bolsonaro em SP

Presidente da República, pré-candidato a reeleição, participou de ato que reuniu 3,7 mil motociclistas, segundo registros de pedágios em São Paulo

O PT acionou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) neste domingo, 17. O partido alega que a "motociata" dessa sexta-feira, 15, em São Paulo, configurou campanha eleitoral antecipada. "Esses atos promovidos, e duvidosamente intitulados de 'Acelera para Cristo', resultaram posteriormente na realização de um verdadeiro comício com pedido de votos e ataques ao sistema eleitoral", afirmou o partido na representação ao TSE.

Em nota, os advogados Eugênio Aragão e Cristiano Zanin, responsáveis pela representação, afirmaram que Bolsonaro foi "ativo e proativo, desde o início". Segundo o partido, o presidente convocou o evento publicamente, conduziu sua motocicleta durante o percurso, incitou os apoiadores com gestos típicos de suas campanhas, desfilou em carro aberto e subiu em carro de som, onde realizou comício e pediu votos, explícita e implicitamente.

A representação pediu aplicação de multa para Bolsonaro e para o empresário Jackson Villar, que organizou o evento.

O ato, chamado de "Acelera para Cristo", reuniu 3,7 mil motos, segundo registros de pedágios, e interditou a Rodovia dos Bandeirantes até as 13h do feriado de sexta-feira.

A motociata saiu da capital paulista até a cidade de Americana, onde o presidente discursou e atacou ministros do TSE. O ex-ministro da Infraestrutura e pré-candidato ao governo de São Paulo Tarcísio de Freitas (Republicanos) e o ex-ministro do Meio Ambiente e pré-candidato a deputado federal Ricardo Salles, que também pretende disputar cargo por São Paulo, participaram do evento.

Dinheiro público

 

A vereadora Erika Hilton (PSOL) já entrou com um pedido para que o Ministério Público de São Paulo investigue a utilização de R$ 1 milhão pela Segurança Pública do Estado para reforço no policiamento da motociata.

A vereadora afirma que há "fortes indícios" de utilização de recursos públicos para "fins de promoção pessoal" de Bolsonaro e seus ministros que são pré-candidatos às eleições deste ano.

Fonte, OPovo

Comentários