Lava Jato denuncia Aníbal Gomes por propinas na Petrobras

O parlamentar licenciado negou as acusações e disse que acredita na própria inocência. O Ministério Público acusa o cearense de participar de esquema de corrupção na Petrobras com desvio milionário; democrata nega ilícitos

A força-tarefa da Lava Jato denunciou o deputado federal licenciado Aníbal Gomes (DEM) e seu assessor, Luis Carlos Batista Sá, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Segundo os procuradores do Ministério Público Federal do Paraná, os crimes teriam relação com supostas propinas de US$ 6 milhões solicitadas pelo parlamentar para sustentar politicamente a permanência de Nestor Cerveró à frente da Diretoria Internacional da Petrobras. De tal valor, Aníbal Gomes teria recebido pelo menos US$ 3,6 milhões, segundo a investigação.

Atualmente, Aníbal Gomes é suplente pelo DEM. Em maio assumiu o mandato como deputado federal, mas se afastou do cargo em outubro. As informações foram divulgadas pela Assessoria de imprensa da Procuradoria.

Segundo a força-tarefa, os crimes teriam ocorrido a partir de 2006, quando Aníbal Gomes era deputado federal pelo MDB. A Procuradoria indica que, dos US$ 6 milhões em propinas acertados, Aníbal recebeu ao menos US$ 3.686.869,21 pagos por Julio Gerin de Almeida Camargo, representante da Samsung Heavy Industries.

A vantagem teria sido oferecida por Cerveró e acertada durante as negociações do contrato para a construção do navio-sonda Petrobras 10.000, dizem os procuradores da Lava Jato.

Ainda segundo a operação, o assessor parlamentar Luís Carlos Batista Sá teria auxiliado Aníbal na gestão dos valores recebidos e na ocultação de sua origem ilícita. As investigações identificaram diversas operações financeiras realizadas entre 15 de setembro de 2006 e 7 de novembro de 2007, no Brasil e na Suíça.

No País europeu, os valores teriam sido depositados em contas mantidas em nome das offshores Headliner Limited e Gallpert Co. Segundo os procuradores, as empresas pertencem ao empresário Walter Faria, do Grupo Petrópolis, já denunciado no âmbito da Lava Jato por 12 crimes de lavagem de dinheiro. No total, foram 12 pagamentos que somaram os US$ 3,6 milhões.

Além das condenações, a Lava Jato pediu à Justiça que determine que os denunciados devolvam o montante que supostamente receberam, convertidos em reais, e paguem multa mínima de US$ 6 milhões - relativos à suposta vantagem indevida solicitada em troca do "apoio político" a Cerveró.

Defesa

Procurado pelo Diário do Nordeste, Aníbal Gomes negou as acusações. "Não tenho força nem pra nomear gerente, quanto mais diretor", rebateu o parlamentar licenciado. "Inclusive isso aí (investigação) era para estar em âmbito eleitoral. Agora, o Ministério Público achou que deveria denunciar... Eu acredito na minha inocência", argumentou.

Por telefone, Luis Carlos Batista Sá disse que não tem informações sobre o processo e a denúncia e vai acionar seus advogados para saber. Ele nega ter sido assessor do deputado Aníbal Gomes. Disse que o conhece há muitos anos, mas não atuou com seu assessor.

Fonte, DN

Comentários