17 de maio de 2018 às 08:13

Megaoperação contra pornografia infantil prende 132 em flagrante

Ao menos 132 pessoas pegas em flagrante com material pornográfico foram presas na manhã desta quinta-feira (17) em uma operação de combate à disseminação de conteúdo de pornografia infantil na internet. Policiais civis de 24 estados e do Distrito Federal

Ao menos 132 pessoas pegas em flagrante com material pornográfico foram presas na manhã desta quinta-feira (17) em uma operação de combate à disseminação de conteúdo de pornografia infantil na internet. Policiais civis de 24 estados e do Distrito Federal cumprem 579 mandados de busca e apreensão, em ação coordenada pelo Ministério da Segurança Pública.

Os suspeitos foram monitorados nos últimos quatro meses pela diretoria de inteligência da Secretaria Nacional de Segurança Pública com base em dados coletados em ambientes virtuais. Segundo o órgão, os dados apresentavam "indícios suficientes de autoria e materialidade delitiva". Esses materiais foram encaminhados para as Polícias Civis de todos os estados, que instauraram inquéritos e pediram à Justiça autorização para executar os mandados de busca e apreensão.

Cerca de 2.625 agentes estão nas ruas. Os suspeitos detidos em flagrante estão sendo levados às delegacias de proteção à criança e crimes cibernéticos dos estados envolvidos. Só no estado São Paulo, os agentes buscam cumprir 166 mandados. Destes, 95 foram expedidos na capital paulista. 

A ação integra a segunda fase da operação Luz da Infância. Na primeira fase, em outubro do ano passado, os agentes prenderam 112 suspeitos em 24 Estados, além do Distrito Federal â?"Amapá e Piauí não participaram na ação porque não tiveram tempo hábil de concluir as investigações.

No total, foram identificados mais de 151 mil arquivos com conteúdo de pedofilia â?"cenas de sexo explícito com a participação de criançasâ?" que eram compartilhados entre os suspeitos. A lei diz que apenas armazenar esse tipo de material já configura crime. Os suspeitos tanto armazenavam quanto compartilhavam esse material. Em alguns casos, também o produziam.

A operação ocorreu após seis meses de investigações, feitas em parceria com órgãos norte-americanos (caso da Embaixada dos Estados Unidos e da Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega em Brasília) e agências de inteligência de polícias judiciárias estaduais. Segundo o ministério, o nome da operação "Luz na Infância" foi escolhido por serem "bárbaros e obscuros" os crimes contra a dignidade sexual de adolescentes e pelos acusados agirem "nas sombras da internet".

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo